TRADICIONALIS

Este Blog pretende ser um espaço onde se trocam impressões e ideias sobre o património cultural português e qual a melhor forma de o preservar. A música e os instrumentos musicais, em especial os cordofones, terão aqui um espaço privilegiado.

08 março 2006

ESTRUTURALISMO, ESTRUTURA, MÚSICA, SISTEMA

O estruturalismo é um movimento intelectual que baseia a sua análise na redução dos materiais a modelos que são referidos como estruturas. A melhor forma de o abordar será, talvez, através da tentativa de compreender o conceito de estrutura dentro do seu ponto de vista teórico. As estruturas que servem de base ao estruturalismo não são manifestações concretas da realidade, mas sim modelos cognitivos da realidade. Assim, a proposta apresentada por Lévi-Strauss, propõe que todas as culturas podem entender o universo que os rodeia através destes modelos. “Nous pensons (...) que pour méritier le nom de strucutre, des modèles doivent exclusivement satisfaire à quatre conditions. En primier lieu, une structure offre un caractère de système. Elle consiste en éléments teles qu’une modification quelconque de l’un d’eux entraîne une modification de tous les autres. En second lieu, tout modèle appartient à un groupe de transformations dont chacune correspond à un modéle de même famille, si bien que l’ensamble de ces transformations constitue un groupe de modèles. Troisiènement, les propriétés indiquées ci-dessus permettent de prévoir de quelle façon réagira le modèle en cas de modification d’un de ses élèments. Enfin, le modèle doit être construit de telle façon que son fonctionnement puisse rendre compte de tous les faits observés.” (Lévi-Strauss, 1985:332) Assim, o estruturalismo, como modelo analítico, assume a universalidade do processo do pensamento de forma a explicar a estrutura ou o significado subjacente que existe no fenómeno cultural.

Tal como num edifício em que, para maior sustentabilidade, é dirigida uma enorme importância na construção da sua estrutura, e por outro lado, através da análise de uma estrutura podemos compreender o objectivo do arquitecto, também, para Lévi-Strauss, a análise estrutural permite a compreensão do universo de uma cultura. As estruturas referem-se as modelos mentais ou de pensamento construídos através de uma realidade concreta. Seguindo esta abordagem o estruturalismo é uma tentativa de construir modelos que podem ajudar a entender a realidade.

Ao escrever uma peça musical o compositor planeia o seu trabalho detalhadamente tal como um arquitecto quando projecta um edifício. Em ambos os casos, o produto final deve possuir continuidade, equilíbrio e forma. É, contudo, na questão do equilíbrio que surgem diferenças, o edifício pressupõe um equilíbrio no espaço enquanto a música está voltada para o equilíbrio no tempo. A maneira pela qual o compositor atinge esse equilíbrio, ao dispor e colocar em ordem as suas ideias musicais, ou seja, a maneira como o compositor projecta e constrói a sua música é descrita na música pela palavra forma. Assim sendo a forma de uma peça musical é, no fim de contas a sua estrutura básica. Ao preencher essa estrutura com uma variedade imensa de materiais musicais o compositor transforma-a naquilo que é, a seu ver o produto final agradável mas que, contudo, não deixa de ser um sistema complexo.

“A etnomusicologia era um ramo da antiga musicologia comparada, que comparava o património musical não europeu com o ocidental-europeu, em parte devido à convicção da superioridade do segundo (herdada do Iluminismo), e em parte também devido à ausência de terminologia apropriada para caracterizar as manifestações musicais dos povos desconhecidos”. (Michaels, 2001:13). “Desde o final do século XVIII que existem teorias sobre a origem da música que a associam à linguagem (Herder), às vozes dos animais, nomeadamente ao canto dos pássaros (Darwin), aos chamamentos sem palavras (Stumpf), às interjeições emocionais (Spencer), etc .” (Michaels, 2001:159)

Lévi-Strauss proeminente estruturalista abria, em 1958, na Anthropologie Structurale (ver citação na pag.1), o caminho para uma abordagem diferente da música. Talvez porque como diz “Desde criança que tenho sonhado ser compositor ou, pelo menos, um chefe de orquestra. (...) Quando se me deparou o facto de que a música e a mitologia eram, se assim se pode dizer, duas irmãs geradas pela linguagem que seguiram caminhos diferentes, escolhendo cada uma a sua direcção (...) pensei que se não era capaz de compor com os sons, talvez o pudesse fazer com os significados.” (Lévi-Strauss, 1981:76).

BIBLIOGRAFIA

Lévi-Strauss, Claude, 1958, Anthropologie Structurale, Plon, Paris, 1985

Lévi-Strauss, 1978, Mito e Significado, Edições 70, Lisboa, 1981

Michales, Ulrich, 2001, Atlas de Música Vol.I , Gradiva , Lisboa, 2003

3 Comments:

At 08 março, 2006 09:39, Anonymous Zé Paulo said...

Lévi-Strauss compositor?! Estruturalismo e música?! Será que, como foi um pouco "duro" de teoria, o homem não seria também "duro de ouvido"?! Depois, não deu para a música, deu-lhe para o que a gente sabe...

 
At 08 março, 2006 12:39, Blogger Sérgio Fonseca said...

Como sabes o grande sonho do Lévi-Strauss era ser maestro mas como tal não lhe foi possível orquestrou uma outra forma de
azucrinar o juízo aos futuros antropólogos...

 
At 22 julho, 2006 08:39, Anonymous Anónimo said...

I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»

 

Enviar um comentário

<< Home